domingo, 18 de maio de 2014

Mostra exibe filmes nigerianos inéditos no circuito comercial


Acontece de 20 de maio a 5 de junho, no Cine Olido, em São Paulo, a 2ª edição da mostra Bem-Vindo a Nollywood, com a exibição de 13 filmes nigerianos inéditos no circuito comercial. A mostra é dividida em quatro episódios. O primeiro, “O início de Nollywood”, apresenta filmes realizados originalmente em VHS, com forte apelo melodramático e rodados em formato seriado. Já em “O boom de Nollywood” temos a oportunidade de conhecer filmes que proporcionaram a internacionalização do moderno cinema nigeriano. Em “Nollywood na perspectiva Ioruba” podemos ver como a língua e a cultura ioruba ganharem forma no cinema. Por fim, “A nova Nollywood” revela o atual estágio da produção nigeriana.

Além das exibições cinematográficas, a mostra oferece um curso gratuito, no dia 24, sábado, às 17h, com duração de 3 horas, que apresenta Nollywood em uma perspectiva histórica e traz ao público paulistano os novos caminhos e desafios do audiovisual nigeriano. Os interessados podem se inscrever no site da mostra, bemvindoanollywood.wordpress.com/curso.

domingo, 29 de setembro de 2013

Nollywood: o cinema da África que criou a sua própria identidade

Rio – Quando uma crise econômica atingiu o país na década de 80 prejudicando a indústria audiovisual, os nigerianos não se abateram. Eles foram em busca de um novo formato de produção e, em 20 anos, se transformaram na segunda maior indústria cinematográfica em produção do mundo, levando ao mercado interno e externo cerca de 200 filmes por mês. De todas as particularidades de Nollywood, que é hoje um exemplo para todo o continente africano e para o mundo, a democracia ao acesso é o seu pilar central.

- É um modelo democrático onde é possível produzir. É barato de operar, aproveita as condições econômicas da Nigéria e usa como matéria-prima uma população enorme, cheia de ótimas histórias para contar – diz, em entrevista ao Por dentro da África, Jonathan Haynes, professor da Universidade de Long Island (Nova Iorque), que há décadas se debruça sobre os estudos do cinema nigeriano

domingo, 25 de agosto de 2013

Programa de TV aborda a indústria audiovisual africana

Rio – Este episódio do Nova África, programa exibido pela TV Brasil, é dedicado à indústria audiovisual africana.

Em A Deusa Negra, a protagonista descobre traços da cultura iorubá no Brasil. O filme é do diretor nigeriano Ola Balongum, que faz parte da segunda maior indústria cinematográfica do mundo: Nollywood.

A partir da ideia do cineasta Okechukwu Ogunjiofor, o cinema nigeriano driblou a pirataria vendendo cópias a três dólares.

Já no Egito, o mercado está em declínio, bem distante dos tempos áureos das décadas de 40 a 70. Mas é no Festival de Cinema e Televisão Pan-Africano de Ouagadougou, em Burkina Faso, que a sétima arte do continente se encontra.